linkedin

Fiz um LinkedIn: como usar?

Então você finalmente deu o braço a torcer e fez um perfil no LinkedIn! Parabéns! Agora você não é mais um profissional invisível.


Então você finalmente deu o braço a torcer e fez um perfil no LinkedIn! Parabéns! Agora você não é mais um profissional invisível. Acredite, dificilmente um recrutador de empresa vai procurar o seu Lattes (tem chance de ele nem saber o que é Lattes…).

O fato é que se o seu foco não é seguir carreira acadêmica, o Linkedin é o lugar certo para estar.

No entanto, não adianta apenas fazer o perfil: é preciso que você o movimente. Ao contrário do Lattes, o LinkedIn é dinâmico: ele possibilita que você publique coisas e conta com um feed de notícias. Além disso, você faz conexões profissionais e interage com elas e pode introduzir mais tipos de experiências e skills do que no Lattes.

Está surpreso? O LinkedIn ainda é um mistério para você? Então siga estas 6 dicas para manter o seu perfil sempre ativo:

  1. Explore menos o lado “certificados na parede” e mais o lado “quem eu sou”: Quais qualidades você possui além das que estão nos seus certificados? Existe um campo no Linkedin chamado “competências”: insira as suas e quem irá dar validade a elas são suas conexões, pois elas podem recomendar você por essas competências.
  2. Use essas competências a seu favor: No LinkedIn, de um lado estão os candidatos e do outro, as vagas. Periodicamente o LinkedIn pode te enviar algumas vagas, mas você mesmo pode fazer buscas por elas. Tendo em mente a sua perspectiva de carreira, veja os requisitos para as vagas do seu interesse: quais habilidades elas exigem? Complete o seu perfil com as competências adequadas. Isso aumenta as chances do recrutador chegar até você e considerar seu avanço no processo seletivo, pois haverá um “match” com a vaga. Recomende competências dos seus amigos e peça que eles recomendem as suas.
  3. Recomendações por escrito: abaixo das competências, há um campo para recomendar seus colegas por meio de mensagens livres. Quanto mais recomendações você fornecer, mais irá receber.
  4. Que outros cursos você possui fora do ambiente acadêmico? Talvez o Lattes não seja o melhor lugar para colocar aquele curso de gestão, o certificado de inglês ou um curso online ou à distância que agregou habilidades importantes. No LinkedIn essas informações são importantes, não as deixe de fora.
  5. Você pode escrever artigos no LinkedIn. Esses artigos são beeem diferentes daqueles que você está habituado a escrever. O objetivo deles é divulgar as suas opiniões, o seu mindset, e também exercitar a divulgação científica em linguagem acessível para a população não especializada se você optar por escrever sobre o seu assunto ou área de atuação.
  6. Submeteu candidatura a alguma vaga? Procure quem é o recrutador daquela empresa, o adicione e se apresente. É bom estar por perto: quem é visto é lembrado.

Agora que você sabe as principais coisas para se fazer, vamos para o mais importante: o que não fazer no LinkedIn?

  1. Existe um feed de notícias assim como no Facebook. Não publique coisas muito informais, como acontecimentos pessoais, nem o link do seu último artigo. O feed é para coisas mais objetivas, em linguagem simples. Se o artigo for um dos mais importantes da sua carreira e você sente que ele irá contribuir com uma possível contratação, inclua no campo “Publicações”.
  2. Não aceite ou adicione todo mundo que você vê. Tente se cercar de pessoas influentes na área em que você quer atuar ou em áreas que deseja se qualificar, pessoas que você conhece agora ou que for conhecendo em eventos… e explore as conexões com cada uma delas: pode ser que alguém te apresente a empresa dos seus sonhos!
  3. …e não é só adicionar. Existe um hábito, e é mais educado, que você envie uma mensagem para sua nova conexão, dando boas-vindas à sua rede, se colocando à disposição de alguma forma, comentando sobre algo interessante no currículo daquela pessoa, etc. Isso serve principalmente para conexões que você não conhece pessoalmente.
  4. Na sua descrição, não copie o mesmo texto do resumo do Lattes! Isso demonstraria muito amadorismo. A descrição do LinkedIn é muito mais objetiva, focada nas suas principais forças, interesses profissionais e áreas de atuação. Deixe para citar o seu mestrado e seu doutorado-sanduíche nos campos de qualificação.

Se você ainda não tem um LinkedIn, é invisível para a maioria dos recrutadores e está perdendo oportunidades. Faça o seu, cole o link nos comentários desse texto e adicione os pós-graduandos que também deixaram seus links! Comece assim a construir a sua rede profissional!

linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO